You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

22/09/2017
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Trincheira Trincheira XVII

Trincheira XVII

E-mail Print PDF
Poder e Camuflagem
Uma entrevista do promotor Mauro Zaque ao portal de not√≠cias M√≠dia News exp√Ķe ao cidad√£o comum um velho problema existente neste Pa√≠s, de cujas entranhas emergem determinadas figuras sombrias que se alimentam do er√°rio e se mant√©m debaixo das asas as impunidade. Veja um excerto da entrevista: "Zaque ‚Äď Eu costumo dizer que estamos ainda engatinhando. Quando a gente fala em combate √† corrup√ß√£o, automaticamente estamos falando em uma criminalidade especializada, do colarinho branco. S√£o pessoas que t√™m poder financeiro e poder pol√≠tico. Ent√£o, trata-se de um alvo diferenciado. Voc√™ n√£o pode investigar quem tem poder financeiro e pol√≠tico da mesma forma como algu√©m que est√° assaltando pessoas na rua. √Č outro crit√©rio. Precisamos de programas avan√ßados, para poder trabalhar informa√ß√Ķes financeiras, fazer cruzamentos, por exemplo, de informa√ß√Ķes recebidas do Banco Central ou de institui√ß√£o banc√°rias. O Minist√©rio P√ļblico precisa de contadores, t√©cnicos, peritos, avaliadores... √Č preciso que o N√ļcleo do Patrim√īnio P√ļblico tenha equipe de investigadores. √Č preciso, tamb√©m, levantar informa√ß√Ķes de campo e o Minist√©rio P√ļblico, hoje, n√£o conta com nada disso".
- Em outras palavras, o MPE necessita de mais pessoas e de maior or√ßamento, t√£o igual ao do Judici√°rio e do TCE. O MPE precisa se reaparelhar, exatamente porque cuida dos interesses de quem paga impostos, ou seja, da maioria, enquanto os outros se mant√©m de portas abertas a espera da den√ļncia ou da demanda, da litig√Ęncia. Parab√©ns, dr. Mauro Zaque.

Tendas
Se não são os feirantes a bancar o aluguel de quatro tendas ali no pátio da feira, quem seria o bom samaritano a custear as despesas? A pergunta é dirigida a alguém da sociedade civil já que ninguém mais quer fiscalizar nada. Enquanto isso, lá dentro, o estádio "Balizão" está aos cacos. Vai gostar de rasgar dinheiro assim lá no raio que o parta. Primeiro ele manda erguer os muros do estádio, depois o derruba e neste governo certamente que não mandará mais reerguer, salvo se for para dar serviço ao irmão. E tem mais, o terreno de jogo está cheio de areia e de brita e o estádio está mais para uma praça de guerra. Vá administrar bem assim lá em Kandarar, na terra de Saddam.
- E o pior, o prefeito tem dons premonitórios e anda meio aborrecido, já prevendo o que vem por aí. Se alguém do meu "staff" fosse interromper uma excursão por revanchismo político, mandaria embora no outro dia. Daí, o prefeito andar meio sorumbático.

Credores/Susto
A ANCB (Associação Nobrense de Credores de Batoré) recebeu com alívio a confirmação de que o rapaz assassinado não era o seu "cliente". Ufa! Apreciador de uma Fanta, bem gelada, o Batoré do KM continua vivo, vivinho da silva para cuidar da família e criar os filhos. Para estar naquele local e horário o Batoré original só se fosse para averiguação de um caso de uma chuva de dinheiro.
- Ai, ai, assim você me mata... diria o presidente da ANCB. Susto passado é susto aliviado.

Violência?
Durante encontro do PR (Partido Republicano), dia 28 de maio, passado, o prefeito Jos√© Carlos da Silva, na qualidade de convidado, fez um desabafo ao dizer que considera uma viol√™ncia n√£o poder realizar cirurgias enquanto gestor p√ļblico e pr√©-candidato √† reelei√ß√£o. E os outros candidatos futuros, os que n√£o sabem operar, como entram na disputa? E para finalizar o discurso, o √ļnico fato que contribui em favor do prefeito candidat√°vel s√£o as cirurgias j√° realizadas, mas muito poucas diante da rejei√ß√£o ao governo dos "importados", segundo o contador Fl√°vio Rondon e outras 5555 cita√ß√Ķes semelhantes.
- Se ele puder realizar cirurgias entre 7 de julho e 6 de outubro deste ano, os outros poder√£o se associar ao SEC (Sacol√£o Esporte Clube) e isso, definitivamente, est√° contr√°rio a lei.

Violência? II
Se n√£o fa√ßo aqui, fa√ßo em Ros√°rio, foi isso que todos ouviram sobre as cirurgias? Mas, l√° n√£o estaria na jurisdi√ß√£o da 3¬™ Zona? Aqui n√£o temos fronteiras e sim divisas territoriais e se estiver na jurisdi√ß√£o eleitoral, n√£o estaria sob a abrang√™ncia das mesmas normatiza√ß√Ķes? √Č um caso para o MPE se debru√ßar sobre ele. Do contr√°rio, seria poss√≠vel distribuir tijolos e telhas aos eleitores, desde que eles fossem buscar ali no Posto Gil, n√£o? E como a Lei Eleitoral vale para todo o Brasil, como se pode ser prefeito e m√©dico cirurgi√£o a um s√≥ tempo, e ainda trabalhando em outro munic√≠pio?
- H√° situa√ß√Ķes em que calado o sujeito leva jeito para poeta, segundo Rom√°rio?

Coisas do Tempo
Al√©m da metade do segundo semestre de 2.009, o vereador Joel J√ļnior declarou "guerra" contra o vereador Beto Valandro para destron√°-lo da Mesa Diretora. Passados os anos, hoje, d√° at√© gosto ver a amizade de ambos, jogando no mesmo time, ali√°s, est√£o solid√°rios no mesmo objetivo e marcham juntos, correm, batem o escanteio e ainda chegam √† √°rea para o cabeceio. Se o Mano Menezes ver isso, √© convoca√ß√£o na certa.
- √Č como diria o poeta Jos√© Bonif√°cio: "H√° tempo para poder e h√° poder que se dissipa com o tempo; h√° rusgas que se cicatrizam e n√£o h√° b√°lsamo melhor que aquele que tem as cifras como princ√≠pio ativo.

Imagin√°rio Popular
Perna de cobra, rastro de lobisomem, ja√ļ com cabelos nas axilas, mula sem cabe√ßa s√£o personagens do imagin√°rio popular que acaba de ganhar mais um nome nessa lista, gra√ßas a um relat√≥rio do Controle Interno. Depois da perna de cobra, podemos encontrar rondando os corredores palacianos o "almoxarife fict√≠cio", tal e qual o pinto de galo, que muitos acreditam que o galin√°ceo tenha, mas ainda n√£o foi visto e nem as galinhas n√£o dizem, se reservando ao direito de permanecerem caladas. J√° o pinto de galo, √© l√≥gico que o tal Jos√© Bonif√°cio que entende dessa coisa, poder√° dizer se chega a ser um falo satisfat√≥rio.
- √Č agora Z√© Boni, o que n√≥s vamos dizer ao ilustre "Controlador de V√ī de Mercadorias"?

Às Compras
Consta, segundo o relat√≥rio do CI, que na atual conjuntura do governo que "mudou pra melhor" h√° uma febre de consumismo que √© qualquer coisa de dondoca. O poder p√ļblico paga a conta, que sai do bolso do contribuinte, e para ajudar o governo do Z√©, o pr√≥prio funcion√°rio leva a mercadoria embora n√£o se saiba se para o almoxarifado invis√≠vel ou para a pr√≥pria "house". Caro amigo CI, o caso √© de Delegacia Fazend√°ria, que √© para averiguar o que deixou o estoque do fornecedor e o que foi levado para o local fict√≠cio. Em outras palavras, √© de Pol√≠cia, tantos s√£o os vasos ornamentais que muitos viram sendo levados para casa.
- Vale lembrar, tudo o que se está lendo aqui terá sido mera coincidência com a realidade... é a arte tentando imitar a vida. Coisas da ficção.

Às Compras II
O que est√° na lista de compra e o que foi levado, isso n√£o tem nada de fict√≠cio, mas √© palp√°vel e visto a olho nu. Cogite ao MPE essa verifica√ß√£o. Conta uma hist√≥ria imagin√°ria: era uma vez um entregador de pizzas que foi entregar uma encomenda em um certo endere√ßo e o rapaz quase teve uma s√≠ncope (Ah! N√£o sabe o que √©? Pergunte ao Jos√© Bonif√°cio). √Č que ao pegar a encomenda, quando se virou, deu de cara com uma potranca, de baby doll, tendo um fio dental como pano de fundo... foi a causa do mal s√ļbito. Como bom "pistoleiro" que √©... fez justi√ßa com as pr√≥prias m√£os por pares de dias, enforcando o pobre do passarinho.
- No bagageiro (da moto, é óbvio!), um tal peixe na telha pronto a ser devorado por outro peixão, segundo o relato. Adivinhe para onde foi á conta? Não insistam que eu conto.

Precaução...
...e caldo de galinha n√£o fazem mal a ningu√©m e assim entendido, o vereador JJ sugere aos seus colegas partid√°rios para que tenham muita cautela nas alian√ßas proporcionais, sob risco de complica√ß√Ķes futuras. O compartilhamento de opini√£o √© a de que uma sobrecarga na "carro√ßa" governista poderia fazer com que favoritos carreguem n√£o favoritos nessa dif√≠cil travessia. A linha de entendimento de JJ √© hist√≥rica quando ele pensa que nessa hora tem que ser Golias e Golias, Davi e Davi pra l√°, porque a estilingada vem do eleitor.
- E pra quem anda de "carroça"... o mês é de cachorro louco. Auuuuuuuu...

(De)Feitos Especiais
Para a campanha pol√≠tica deste ano, nem precisa de marqueteiro, mas de um Steven Spielberg para criar efeitos especiais, mas na falta dele, serve um m√°gico (n√£o necessariamente aquele, l√° de √ďz) e muita ilus√£o. At√© um operador de microsc√≥pio se encaixaria na conjuntura que se desenha, que √© para ver ou tentar ver alguns partidos microsc√≥picos botando banca como se fosse mesmo um dinossauro, mas vai ver, √© uma lagartixa. Quer se coligar, mas n√£o quer mostrar o tamanho para a noiva. √Č como t√©cnico de futebol, aquele que s√≥ fornece a escala√ß√£o minutos antes da partida.
- Está certo o JJ, sobre esse negócio de carregar além dos 20% do próprio peso. Nesse laboratório, quantidade e qualidade não entram no tubo de ensaio, sob risco de explosão.

Tchique Dem√°s
Depois que assisti aquele filme: "O Diabo Veste Prada", realmente uma quest√£o de estilo e de compet√™ncia, ao ler o relat√≥rio do Controle Interno com parecer conclusivo sobre o governo municipal, o oposto daquele t√≠tulo e do entendimento de que por aqui n√£o h√° estilo e tudo parece mesmo um filme da pior fic√ß√£o ou do cinema trash. Cen√°rio 'tchique' e de fino gosto √† sede do governo, mas est√° longe de caminhar com a efici√™ncia desejada. Lembrei-me dos inesquec√≠veis dias da adolesc√™ncia, quando ia √† porta do Cine Teatro Cuiab√° e via aquelas fitas da Metro Goldyn Mayer, onde aparecia aquele le√£o rugindo, tadinho, s√≥ uma vez em cada filme, o que me fez pensar naquela noite de 29 de fevereiro de 2012, em frente a C√Ęmara de Vereadores e pensei, vai ter cinema na pra√ßa.
- Qu√° dia?... era s√≥ um mon√≥logo sobre a autobiografia de um certo candidat√°vel. Prefiro a verdade de Amaz√īnina Bocai√ļva ao mon√≥logo entediante do Doctor. Uma quest√£o de humor.

Um Probleminha
Filiado ao Democratas, o ex-deputado estadual Cecílio de Jesus Gaeta se apresenta como virtual candidato a prefeito pela sigla e já tem até 'jingle' na ponta da agulha. Presume-se que alguns pedriscos entrem no sapato do "cacique" DVM em momento quando ele não contava com esse probleminha, e a julgar pela letra do 'jingle' de Gaeta, vai entrar para o "hit parade", tendo uma estrofe sobre a tão propalada ficha. Pensei em vovó, quando ela dizia: "Isso não vai dar certo".
- "Eu vi chover, eu vi relampear, mas mesmo assim o céu estava azul...".

Do Além
Um recado psicografado, de "M. Moiado" para Jos√© Bonif√°cio, interceptado por n√≥s, diz o seguinte: "Olha aqui Jos√© Bonif√°cio, sei quem voc√™ √©, pare de me perturbar postando coment√°rios cretinos sobre mim. Se insistires, vou psicografar e enviar uma informa√ß√£o sobre com quem est√£o os seus v√≠deos porn√īs, gravados ao celular. Entendeu? V√° procurar o que fazer ao inv√©s de usar nome falso para postar coment√°rio". Pronto, dissipou-se a presen√ßa do reclamante.
- E a ética profissional, hein José Bonifácio?

Namoro?
Depois do que se ouviu na noite de 28 de maio na reuni√£o do PR, sobre abertura de espa√ßo para os partidos "namorarem", eis que o flerte entre o DEM e o PP pode dar casamento. Hoje (30/05), n√£o se sabe onde e nem a hora, as duas siglas marcaram mais um encontro e deve ocorrer mais uma sess√£o de tapas e beijos. O DEM n√£o quer s√≥ "ficar" e deseja um relacionamento um pouco mais s√©rio; j√° o PP, n√£o abre a casa por inteiro e deseja s√≥ conversar e "sondar" at√© onde v√£o as pretens√Ķes dos Democratas. Na verdade, tudo o que viu at√© hoje s√≥ foi um jogo de cenas, mas √© iminente a uni√£o entre as duas siglas, ap√≥s aquela desdenha√ß√£o toda.
- √Č como diria vov√≥: "Quem desdenha... quer levar pra casa". Chega de "amasso", de bolina√ß√£o, √© hora de pegada ou de largada.

Vou de T√°xi
A atual administra√ß√£o de Nobres tem demonstrado tamanha capacidade em gastar dinheiro, que por vezes chega a assustar. A cess√£o de um √īnibus para levar estudantes em passeio ao Sesi/Park, dias atr√°s, se revelou qualquer coisa absurda. Primeiro se cede o √īnibus, depois, vai se de t√°xi atr√°s do √īnibus, fazendo retornar o carro/√īnibus de volta para Nobres, rapidamente. Quem foi de √īnibus voltou de t√°xi; e quem foi de t√°xi, voltou de √īnibus.
- E por que não, começar a rasgar dinheiro?

Mudança
Ainda vai dar muito o que falar, a mudança de endereço, outra vez, do local onde os servidores vão receber o seu pagamento. A folha de pagamento tenderia a ir parar ali próxima da Lotérica, em novo endereço. E quanto custaria essa mudança que pode causar reboliços? Olha, a questão vem ganhando repercussão e pode abrir os olhos de muita gente, uma operação financeira desse porte em ano eleitoral, após a realização de uma festa de aniversário que custou muito aos bolsos dos contribuintes. A portabilidade ou direito de escolha de onde receber o seu salário pode pesar muito.
- Seria uma partida de ping-pong, ou daquele coro... que vai e que vem?

Máquina(ção)
Longe do governo ou fora dele, como queiram, n√£o h√° como n√£o se constranger com o que fazem algumas pessoas. A patrol da Prefeitura de Nobres (e de povo, por consequ√™ncia) que estava quebrada no Mangavalzinho, ficou sem os pneus e algumas pe√ßas, retiradas para serem colocadas em outra, seria isso? Realmente, no trato com a coisa p√ļblica √© que se conhece o gestor. Tudo por aqui tende a se acabar, via de regra, ou em pizza, em peixe na telha, em u√≠sque ou ao relento. Realmente, o l√≠der sindical, Irineu Langer, tem l√° suas raz√Ķes quando se assombra com a falta de uma sa√ļde p√ļblica de qualidade, que √© o "meti√™" do sujeito; em outras √°reas, s√≥ o valha-nos, Senhor.
- Segundo Charles Darwin e a sua teoria, cada macaco tem que estar no seu próprio galho... é próprio da evolução. Um urubu no IML, que estrago não causaria?

Vende-se...
CD usado e meio riscado, contendo grava√ß√Ķes repetidas da reuni√£o de ontem (28/05) do PR (Partido Republicano) e nele, ao menos 55 vezes se ouviu a mesma cantiga de grilo: "Quero dizer pra voc√™s...". Que coisa mais ma√ßante essa repeti√ß√£o. Sugest√£o: "Um curso de orat√≥ria evitaria esse papo, nem um pouco cabe√ßa. Enfim, a descoberta, que nem tudo o que se diz em encontros pol√≠ticos √© preciso levar a s√©rio e se acreditar, antes, procure um meteorologista, que √© pra ver o comportamento das nuvens.
- Se n√£o conseguir vender, vamos rifar, assim como se rifa um virtual candidato a vice.

Compra-se...
...uma trena, que √© para medir a altura das pilhas de empenhos que est√£o a√≠ na Prefeitura de Nobres a espera de dinheiro para pagamento, segundo contou-nos um passarinho. Bem, agora que Os Anjos est√£o chegando, √© pedir para que eles fa√ßam um Resgate da credibilidade do governo, mais abalada que a situa√ß√£o do t√©cnico Joel Santana no Flamengo. √Č como diria minha tia Bastiana, vizinha de Amazonina: "Deus que ataia", mas se Cho Z√© perder essa parada, de 07 de outubro, em nossa ilha s√≥ vai ficar os abor√≠genes e o que restou do pau-brasil da nossa floresta.
- E aí me vem aquele locutor de rodoviária: "atééénção, senhores passageiros, papeletas cor de jirimum, queiram tumar os seus assentos, cadê di que a jardineira lá é vai...". 'Bon voyage, monsieur".

Sem Bufunfa
E o sal√°rio... √≥√≥√≥, miou. Depois da festa de anivers√°rio e dos shows milion√°rios, o funcionalismo p√ļblico municipal de Nobres estaria sem receber, √© isso? Em 2.009, 14 mil reais para ver o show de Joaninha; em 2010, aqueles cantores da terceira idade chegaram quase a 200 mil reais; em 2011, Amado Batista passou dos 150 mil e outros 350 gastos no evento em geral. J√° em 2012, andaria perto dos 800 mil reais e √© evidente, o dinheiro sumiu da pra√ßa, a arrecada√ß√£o baixou e agora √© hora da dan√ßa da chuva, para ver se a grana volta.
- Isso é Planejamento, o resto é rasgar dinheiro dos outros.

Republicanos na Pista
Olha, ali da arquibancada, bem de frente para a arena, vi e ouvi os discursos dos republicanos Irineu Langer e Fl√°vio Rondon na reuni√£o republicana, dia 28/05, chegando a conclus√£o de que o 'tar' do "cacete florido" existe, mesmo. Sa√ļde e marginaliza√ß√£o dos que aqui moram foram o tema de ambos os discursos... "confesso, abestalhado que estou decepcionado" com o atual governo ap√≥s ouvir esses discursos e ainda disseram que n√£o foi tudo... que faltou mais um pedacinho.
- Se estava sem o tal do 'retentor'... chama a "junta" que a macaxeira foi tudo.

Contando História
Um certo Jos√© Bonif√°cio, aquele que escreveu para o Olhar Direto, descreveu e discorreu sobre uma tal pi...a artificial de aroeira, de fabrica√ß√£o artesanal, com tanta riqueza de detalhes, que chegamos a pensar que fosse algu√©m daqui que postou o coment√°rio l√°. √Č que aqui em Nobres, n√≥s temos a nossa vers√£o do "Forest gump", o contador de causos, que fica dif√≠cil imaginar uma hist√≥ria sobre falos em que ele n√£o d√™ detalhes pormenorizados.
- Afinal, quem és? José Bonifácio ou aquele traíra do Pedro Paulo, o que nega de três em três vezes?

Nova Reclamação
A cada reuni√£o p√ļblica em que participa, o prefeito Jos√© Carlos da Silva demonstra insatisfa√ß√£o com o que ele l√™ no jornal. No encontro do PR (Partido Republicano), para o qual foi de conviva, se disse surpreso com o que ele leu no jornal sobre o pagamento das multas ao TCE-MT, que vem pagando. Ainda n√£o conseguimos entender qual √© a do prefeito em rela√ß√£o ao jornal local, que ele disse n√£o ter alcance nem at√© o Pindura, mas l√™ e tenta rebater. Faltou dizer que tem pagado s√≥ as multas mais brandas enquanto que as maiores ainda est√£o listadas e passariam dos 102 mil reais.
- Ele paga para ser prefeito, mas gosta disso. √Č essa a vers√£o? Bem, isso at√© l√° no Pindura j√° sabem, levamos o jornal l√°, de bicicleta.

Nova Revelação
Na reuni√£o do PR, na noite de 28 de maio, o dr. Jos√© Carlos disse que o PP est√° aberto a qualquer negocia√ß√£o partid√°ria com outras siglas. At√© quem n√£o √© doutor entendeu o recado, o futuro vice pode ficar preso ao presente e "pular"; na verdade, o correto √© dizer, ser "pulado". √Č mais uma hist√≥ria de carro√ßas e cavalos, onde o sujeito engorda o cavalo, mas nem sabe que vai andar na garupa. Isso, se n√£o ocorrer de ser "pulado" da garupa e dar vaga a outro.
- Eita alazão bonito; êpa, o bichinho tá 'corcoveiano'... sarta xomano.

Surpreendentes
O l√≠der sindical Irineu Langer e o contador Fl√°vio Rondon roubaram a cena ao discursar no encontro republicano com coloca√ß√Ķes certas, feito um bom cruzado de direita no queixo do oponente. Sa√ļde em estado prec√°rio e marginaliza√ß√£o dos abor√≠genes foram √†s cita√ß√Ķes dos news republicanos. Essa paulada deixaria grogue qualquer Pedro Paulo ou Jos√© Bonif√°cio; o samurai Kitaro fez soar o gongo e quase a carro√ßa n√£o anda de t√£o carregada de cr√≠ticas.
- Na arquibancada, torcia para que eles falassem o que queriam falar. Se eles disseram o que n√£o queriam, ao abordar o que queriam, seria o fim do baile.

Inter...
Tem s√£opaulino querendo virar ga√ļcho... o vereador Silvestre Campos insistia que a reuni√£o convocada pelo PR seria "Interpartid√°ria" quando o correto seria "intrapartid√°ria". Salvo se a cita√ß√£o "Inter" fosse para justificar a presen√ßa do PMDB e do PP naquele encontro de todas as torcidas e n√£o s√≥ do "Inter...". Convenhamos, o encontro foi esquisito e tem algo no ar que pode causar "virose". Desde a sexta-feira (25/05) est√° tendo algo suspeito no ar numa conex√£o entre PR e PMDB, que o ex-prefeito Devair Valim apontou ser de um "dono" s√≥. Lembram, quando no dia 30 de mar√ßo, no Cisne Branco, Devair disse o que vimos ontem.
- Olha, a nossa v√£ filosofia anda longe de imaginar o que h√° entre o c√©u e a terra; entre o Inter e o Intra. Mas n√≥s, 'quessa' cara de Man√©, n√≥is √© malandro; n√≥is manj√ī a parada.

The Observation
Um abor√≠gene, dia 27 de maio, em Bom Jardim, disse, √† beira do gramado do campo da Vila: "Xi√°√°√°√°... o prefeito t√° bem 'tchocho', quase num qu√© fala, t√° meio macamb√ļzio, arredio. Que ser√°?" Teve um ladino, da cidade, que disse: "√Č que t√° chegando a hora do calv√°rio, de fazer a via crucis, batendo de porta em porta para pedir votos". Ah! T√° explicado, mas, p√©ra a√≠, com que argumento?
- O vice voltar√°, s√≥ ele salva... vem ele, Papai Noel, Coelhinho da P√°scoa; vem aqueles discos voadores que s√≥ ca√ßador de pacas v√™; vai aparecer por aqui p√©-de-garrafa; p√©-de-cana; mula-sem-cabe√ßa; boi-tat√°; ja√ļ com cabelo nos sovacos; perna de cobra e tudo mais.

The Observation II
Bem jururu, sem aquela tropa de choque, tristemente Dom Quixote e seu fiel amigo Sancho Pança (e bota pança nisso) percorreram terras de La Mancha em El domingo, um dia 27 de maio, em su caballo viejo, El Rocinante. Viram el partido del futbol e despues se partiram, sin ninguno adios a lós hombres, ni a las mujeres. Se fueram, como melodia triste de una cancion.
- Soy Quijote de un tiempo que no tiene idad. Que passa, hombres?

Preg√£o
Esse preg√£o, o de n¬ļ 20/2012, deve ser para caibros e vigas. O governo espera faturar ao menos 500 mil reais nessa transa√ß√£o e o banco que vencer o preg√£o deve ganhar muito mais com as taxas de presta√ß√£o de servi√ßos aos servidores p√ļblicos municipais, entre taxas de manuten√ß√£o de cart√£o, retirada de extratos, empr√©stimos pessoais e tal e coisa e coisa tal. Independente disso, o servidor p√ļblico municipal tem direito a portabilidade, ou seja, de receber o seu sal√°rio em que banco quiser. Com pelo menos 500 mil reais em caixa em um munic√≠pio que ningu√©m fiscaliza porra nenhuma, a vida √© s√≥ festa regada a peixe na telha, no telhado, no banheiro, picanha mineira e u√≠sque por metro c√ļbico.
- Hoje vai ter bundalelê, lá no meu apê.

Preg√£o II
Na Marcenaria do Zé, pregão é só para dependurar... na conta do contribuinte. 500 mil reais em caixa, é? Mas, será que vai voltar para o qual banco da JK? Dizem que na gestão anterior a mesma transação já teria se efetivado com prazo de 20 anos? No comecinho de 2.010, o prefeito reclamava que teve um funcionário que fez empréstimo com 60 meses para pagar quando o governo era só de 48 meses e se auto demitiu para mais tarde ser recontratado, aliás, uma operação corriqueira em Nobres. Será que ele pagou o empréstimo feito? Alguém saberia dizer o nome dele e de seus parentes?
- Conta aí seu Zé?

Preg√£o 20
Se j√° h√° um comprometimento contratual de 20 anos, como realizar tal opera√ß√£o? E quem vai acompanhar os gastos com esse meio milh√£o de reais? At√© hoje, s√≥ um vereador teve essa preocupa√ß√£o com o endividamento do munic√≠pio, ali√°s, de um munic√≠pio aonde s√≥ a m√°quina p√ļblica vai mal e a cidade idem; entretanto, com pouco dinheiro se faz m√°gica em Nobres. Tem gente no governo com muito, mesmo com t√£o pouco na folha salarial. Mas aqui √© assim, vem gente de fora e faz a farra no nosso "garimpo" e depois v√£o investir l√° longe, enquanto os abor√≠genes ficam a ladrar vendo a caravana "gold" passar, rumo ao Texas.
- Quem fiscaliza essa "farra"?

Ventriloquia
Quem j√° participou de alguma reuni√£o em que se visa a coopta√ß√£o de aliados, deve ter notado que aquele que deveria falar parece ter a voz projetada em outro elemento. Tem sido assim com o atual prefeito Jos√© Carlos da Silva, que parece ter nomeado ou decretado que o ventriloquismo √© a melhor forma de se trabalhar por um segundo mandato e deixa que os outros falem por ele. Logo algu√©m que nem √© daqui e n√£o estava aqui nos √ļltimos quatro anos, com aquelas ret√≥ricas melodram√°ticas e pouco convincentes, at√© mesmo aos mais incautos dos "news" partid√°rios, segundo nos revelou um atento ouvinte.
- Acredite se quiser. Como o assunto é sério e se trata do futuro de Nobres, o melhor argumento teria que partir de quem realmente vai governar já que não se governa por tabela. Garçon, traz outro Filé.

Sonorização?
Uma empresa de V√°rzea Grande levou 3.000 pilas para prestar servi√ßo de sonoriza√ß√£o em Nobres para a Secretaria de Finan√ßas. Entretanto, ningu√©m nunca viu essa empresa e os tais servi√ßos prestados, diferentes, totalmente, do que consta na sua atividade econ√īmica principal. Olha, algu√©m precisa esclarecer esses fatos publicamente, al√©m das exageradas aquisi√ß√Ķes de vasos ornamentais que estariam sendo levados para casa, segundo se comenta por a√≠. A presta√ß√£o de servi√ßo √© uma, e a atividade econ√īmica √© outra, √© isso?
- Sabe como é..., os aborígenes são difíceis de entender esse tipo de coisa.

Prestativo
Um rapaz, tchique, no √ļrtimo, 'disque' prestou servi√ßos como auxiliar de servi√ßos gerais na Escola Maria Honorata e pelo servi√ßos recebeu 518 reais, conforme o empenho n¬ļ 001126/2012. Servi√ßos, servi√ßos e repeti√ß√Ķes. Geralmente, √© um parente de quem est√° no poder que se torna humilde e presta esses servi√ßos, como gari, lavando banheiro, limpando p√°tio ou "apagando quadro" para o professor. Sem medo de ser feliz, desce da sua caranga incrementada e vai se misturar aos simples mortais, trabalhando duro.
- Parabéns e volte sempre, obrigado pela preferência. Vinde a mim os pobres e oprimidos. Auuuuuuuuuuuuuuuuu...

Adiantando-se
Como se sabe, o Dia Internacional da Mulher √© comemorado em 08 de Mar√ßo, entretanto, a efici√™ncia do governo √© tamanha, que o empenho, de n√ļmero bastante sugestivo, 001111/2012, foi feito em 29 de fevereiro, no valor de R$ 2.276,00, para decora√ß√£o do local. Nada de anormal, s√≥ a antecipa√ß√£o dos fatos.
- Beleza e parabéns pela premonição.

Brasa em M√£os
Durante o encontro entre Fermino e a equipe de negociação (cooptação) governista, Fermino tascou aquela velha argumentação: "Vamos para acareação, vocês devem ou não devem o hospital?". Disseram que estaria tudo certinho: "Posso ligar para a parte interessada?". Tentaram menosprezar a sabedoria de Fermino e ele colocou a tropa de elite na parede. Minimizados os rompantes de sabedoria, a dívida foi reconhecida, cumprida em parte e a caravana seguiu, foi tocar em outra freguesia. Não sem antes deixar pérolas sobre a mesa.
- Seria a volta da Fatecom? Por sinal, dois ex-vereadores tiveram memoráveis debates no passado sobre a tal faculdade e eles estavam lá. "Filé" é macio, mas não é tão fácil de digerir. Nham, nham, nham...

Encontro
Temos dados sobre os bastidores do encontro entre a tropa de choque do governo do Z√© com o vereador Manoel Fermino Pinho. Foi qualquer coisa satisfat√≥ria para esta terra e esta gente, segundo o bord√£o do experimentado vereador Fermino, que teria despejado a sua ca√ßamba de realidades sobre a mesa. Consta que Fermino foi classificado como homem de sabedoria, mas ele rejeitou o r√≥tulo ao dizer que n√£o seria nenhum b√ībo quem tem partido inexpressivo e sem grande representatividade pol√≠tica e consegue emplacar v√°rios parentes no governo.
- Essa foi de sola na canela de algu√©m... auuuuuuu. A gente volta j√°, √© s√≥ tempo de tomar um amargo enquanto o √īnibus¬† (School Bus) est√° parado.

Batendo um Bol√£o
Para se jogar futsal na quadra do ginásio "Bezerrão", só quem estiver treinando, e com a devida autorização. Parece que os assessores do prefeito estão empenhados em 'queimar' o filme do candidatável, jogando por terra tudo o que ele constrói durante o dia em suas andanças fazendo campanha ao lado de Ney Campos. Quem será que proibiu? Olha, tem coisa que só acontece em Nobres e a oposição agradece a medida tomada. Não bastasse um secretário sair dizendo: "O ZC não ganha á eleição".
- O pior √© que o prefeito sabe e at√© admite isso. √Č gol contra, n√£o?

Aviso ao Vizinho
A vaga do nosso vizinho de município, Elói Schulz, de Rosário Oeste, estaria sendo ofertada a um amigo da igreja nestes dias de pré-campanha. O futuro candidato a vice-prefeito é quem costuraria o acordo, digo, a flechada no homem branco. Com tantos cargos em negociação, é certo que alguém ou alguns vão rodar. Baianinho, cuidado com a escalação de quem vai na barca, o home tá oferecendo cargo pra meio mundo.
- Em uma próxima encarnação, viria como parente de político influente, só pra ver como é o tal tráfico de influência.

Por Agendamento
Como o maior de Nobres, o bairro S√£o Jos√© conta com uma unidade do PSF (Posto de Sa√ļde da Fam√≠lia) de estrutura f√≠sica acanhada, constru√≠da √° 12 anos atr√°s, e com sinais de defasagem. Mas o que mais chama a aten√ß√£o naquela unidade √© um cartaz afixado no balc√£o, onde o paciente tem a oportunidade de marcar um encontro com a sua doen√ßa por agendamento. Voc√™ marca as segundas, ter√ßas, quartas e sextas-feiras, sempre para o dia posterior, quando voc√™ ter√° a oportunidade de se reencontrar com os seus males f√≠sicos, por agendamento. Sa√ļde da Fam√≠lia √© assim, s√≥ com encontros marcados, ali√°s, se voc√™ estiver saud√°vel, para que marcar encontro com a doen√ßa?
- Hil√°rios, esses tipos de lembretes.

Governo dos An√ļncios
Depois das bicicletas e das motos, anunciados para sorteio em 2010, com autoriza√ß√£o legislativa e tudo, nunca mais ningu√©m ouviu falar disso. Em dezembro de 2011, no dia 02, aconteceu uma audi√™ncia p√ļblica para se anunciar que Nobres ganhou R$ 500.000,00 para a constru√ß√£o de um PSF no bairro Jardim Carolina. Em 1¬ļ de Maio, o deputado federal Pedro Henry (PP) anunciou em Nobres novos recursos para constru√ß√£o do mesmo PSF, num presentinho especial ao vereador Joel J√ļnior. Com tanto dinheiro assim, o Jardim Carolina pode contar com o maior PSF do munic√≠pio.
- Essas são as publicidades em tempos de guerra, onde uma mentira repetida por milhares de vezes acaba virando verdade. Pobre de nós, tendo que encostar à parede para latir enquanto a caravana passa.

Sem Emergentes
Desde a ascensão de Mário Abraão Nassarden e anos após, de Devair Valim, que foram vereadores e depois viraram prefeito, nenhum parlamentar municipal teve a mesma ascensão. Os parlamentares municipais sucumbiram ao papel de meros coadjuvantes e outros se perderam nos labirintos do Legislativo. Neste ano, muitos nomes sonham com a possibilidade de uma vaga dentre as 11 possíveis e alguns chegam ao Parlamento com gana para mais tarde se acomodarem no lugar comum de meramente aplaudir quem nada faz e quando faz, gasta demais.
- Quando ser√° que teremos um pol√≠tico emergente por conta das decis√Ķes que toma?Quem n√£o toma nenhuma decis√£o, √© melhor n√£o arriscar.

Descartado?
Qual a fun√ß√£o de um chefe de Gabinete? O que o prefeito tem, n√£o tem di√°logo com os parlamentares, n√£o quer saber de C√Ęmara de Vereadores, tem muito mais rejei√ß√£o que alguns ex-secret√°rios, j√° demitidos, e n√£o est√° sendo chamado para as negocia√ß√Ķes pol√≠ticas futuras por falta de habilidade. Se for s√≥ para receber, me chamem que essa boquinha eu aceito.
- Pra Nada... até tu, Brutus.

Política Discricionária
Se ningu√©m n√£o reparou, muitos viram a manobra durante a festa de anivers√°rio de Nobres, com a contrata√ß√£o de dois palcos, um para as estrelas e outro para as l√Ęmpadas incandescentes. No palco maior, os cantores de 'segunda' tinham pouco acesso e quando tinham que ir at√© l√°, atravessavam um t√ļnel subterr√Ęneo, cavado pelas minhocas. O pessoal da "diretoria" ou do camarote vip ficou bem ao lado do palco maior e quase n√£o ouvia o que vinha do lado de l√°. Foi uma esp√©cie de "apartheid" musical e no palco grande s√≥ ia quem tinha "catchiguria". J√° passei por isso...
- ... quando jogava bola, me davam uma botina ou um kichute e o cara ao meu lado recebia um par de Adidas, tão macia que parecia até sapatilha de balé. Conforme o futebol.

Política Discricionária II 
Vi algu√©m daqui, de costas, fazendo pose para aparecer tendo como pano de fundo o palco das estrelas. √Č como vov√≥ j√° dizia: quem nasceu para ser carne de pesco√ßo n√£o chegar√° √° picanha t√£o cedo. Dois palcos para separar quem tinha "pedigree" daqueles que n√£o conhecem nem o D√≥, R√©, Mi e ainda perguntam: "O que √© isso?". E ficou aquela pergunta no ar: "Josu√© jogou de Adidas ou de Kichute?".
- Jogava muito quando era juvenil.

Matando a Cobra...
...e escondendo o pau. O garoto foi picado de cobra l√° em Sinop e aqui de Nobres, o prefeito Jos√© Carlos da Silva posta coment√°rio √† mat√©ria sobre "picadura", agora, em letras min√ļsculas, sem tentar imitar Pedro Paulo. Ao inv√©s de resolver o problema da falta de planejamento, dos compromissos financeiros da prefeitura sob seu comando e dos buracos nas ruas de Nobres, o prefeito daqui est√° preocupado com cobra que picou algu√©m l√° em Sinop. Prefeito, l√° tem m√©dico e o problema j√° teve solu√ß√£o, vamos focar nos nossos problemas e deixa que Sinop enfrente os seus problemas, sabendo que l√° est√° muito melhor que aqui.
- N√≥s aqui estamos precisando de um anticorpos contra a incompet√™ncia e de um rem√©dio bem amargo contra a bebedeira. "O novo/velho primeiro-ministro, Dmitri Medvedev, continua a ser mera "pe√ßa de decora√ß√£o" no xadrez pol√≠tico russo, tal e qual o homem que gosta de andar de carro p√ļblico nas horas vagas em Nobres.

Recado Sucinto
Para aqueles que sonham com uma vaga √† C√Ęmara de Vereadores, n√£o percam a capacidade de indignar-se, principalmente quando as coisas est√£o bem abaixo dos seus narizes. Ou ser√° que nenhum pr√©-candidato n√£o est√° vendo o que est√° ali, na esquina entre a rua Mato Grosso e a avenida Mal. Rondon? O trecho j√° foi recuperado (sic) e voltou ao que era antes, ap√≥s uma guinada de 360¬ļ. Lamenta-se pelo muito falar de alguns candidat√°veis, mas √© s√≥ pelo lado da conveni√™ncia: estando bom para mim, o resto √© que foda-se.
- N√£o basta querer se candidato, tem que ter capacidade at√© para se indignar com o descaso para com o dinheiro p√ļblico.

Recado Sucinto II
Estamos levantando uma quest√£o que vai causar furor e deve colocar em alerta geral aqueles que pagam os seus impostos e assistem a omiss√£o de muitos diante de um descalabro tamanho. Eles abusam da hospitalidade do povo de Nobres e riem nos bastidores por conta do que fazem pelas costas do povo.
- levitra online J√°-j√°, neste bat-canal. √Č indignante.

Pilhas e Pilhas
Enquanto os cães ladram... as pilhas de empenhos não pagos aumentam. Dizem que aquela "farra" que resultou naquela homérica rasante de uma figura, que teria ido de cara 'na chão', ainda não foi paga. E Tonto nem deu as mãos para Zorro se erguer. Vá ser mascarado assim lá nas terras do Sargento Garcia, seu Zorro. Se não há empenho em saldar os empenhos, por que continuam comprando fiado? Mandei um email para vovó, comunicando que as coisas por aqui só ficarão boas no dia 10, quando o repasse cai e aí será feito o sorteio para se saber quem vai pagar e quem vai sobrar.
- Alguém aí nos corredores global para dizer o que significa a palavra planejamento?Nem vem de garfo porque hoje é dia de geléia.

O Cearense e o Paulista
Diziam que o culpado era Ad√£o, mas descobrimos que a culpa foi mesmo de 'hil√°rio'; ele √© hil√°rio... um secret√°rio, muito palpiteiro, teria dado de cara com um peemedebista, contratado de √ļltima hora para soldas no tal p√°ra-raio e teria dito: "Que c√™ faz aqui, quem te chamou?". A resposta veio de um paraibano: "V√° tomar no c.., se voc√™ n√£o ajuda, pelo menos n√£o atrapalhe". O palavr√£o caiu como uma descarga, de 200 mil volts, e o palpiteiro s√≥ se recuperou ap√≥s o tombo, depois de 'planar' na lama, atr√°s do tal camarote.
- Vote nele, o n√ļmero da chapa dele √© 99, chapa √ļnica. Nononononono..... Mole pro Vasco.

Em Campanha
Dizem que entre os governistas já estão pedindo votos e visitando casas com promessas, cooptando aliados com ofertas de empregos. Secretarias estão sendo ofertadas agora, mas qual secretaria, se todas estão ocupadas? A chefia do gabinete institucional do governo que poderia ter outro titular, infelizmente, continua na mesma, com o "dono" da frota de veículos paranaense. Pelo que está sendo levantado desse governo, haja jiripoca para piar.
- Enquanto a caravana passa, a jiripoca pia. J√Ęnio vem a√≠, o homem da vassoura, para dar um rodo nesses cheques voadores.

Bananal City
Se Nobres investisse no cultivo de bananas, com o aproveitamento dos buracos nas ruas como covas, certamente que Nobres ganharia mais uma referência, além do município de Livramento, conhecido como a terra dos 'papa-bananas'. A dica é de um comerciante local, cuja identidade vamos preservar, mas pode-se dizer que ele seja discreto, fala pouco, não faz críticas e tem o seu comércio entre o Banco do Brasil e o Polo Centro, onde se localiza ao menos 30 covas, já prontas para receber as mudas de banana.
- Mais alguma dica?

Fanta Perdida
Procura-se uma garrafa peti de Fanta (2 litros) que talvez tenha saído "andando" e que por isso a conta não bateu na noite de 15 de maio, na hora do lanche entre vereadores e convidados. Alguns vereadores viram a garrafa "caminhando", lenta e camufladamente, esgueirando-se até atingir e a penumbra e desaparecer, escafeder-se. Quem será que "flertou" com a laranjada artificial? Cartazes já estão espalhados pela cidade...
- ...procura-se por uma Fanta extraviada.

Outra Dica
O que tanto a Prefeitura de Nobres compra em loja de produtos veterinários? A pergunta é endereçada ao CCI (Coordenador de Controle Interno), que bem poderia ir às lojas e checar as notas e os produtos que de lá saem. Nunca se comprou tantos vasos ornamentais como neste governo, resta saber para onde estão sendo levados. Há mais vasos adquiridos que buracos nas ruas e isso preciso ser checado, antes que alguém denuncie e a coisa fique pior. Menos mal que o município ainda tem adubos em haver, desde aquele malfadado e não apurado caso da bomba d'água.
- O contribuinte agradeceria.

Pescador de Pérolas
Em √©poca inoportuna, o chefe de governo em Nobres tem usado do muito falar para 'abastecer' os ouvidos das pessoas com certas coloca√ß√Ķes que s√£o despropositais e outras at√© temer√°rias acerca do lado pessoal. E por aqui, como bons c√£es, que nem sempre s√≥ ladram, mas tamb√©m farejam p√©rolas, a uma boa dist√Ęncia, temos toda uma cronologia das cita√ß√Ķes atiradas ao ar por algu√©m que deveria se preocupar com a pr√≥pria imagem. Quem muito fala, ouve o que n√£o quer, j√° dizia um ditado popular.
- Observemos a ordem cronológica, a seguir.

Fevereiro de 2009
No segundo mês de sua gestão, disse a um colega médico e anestesista: "Eu quero te ajudar...". Só que o médico não trabalha, nem na prefeitura e no hospital, até hoje. Mas, médico precisando de ajuda, o que é isso? Errou feio ao dizer que pode ajudar; só se for valendo-se do seu cargo.
- Quem tem capacidade, n√£o necessita de ajuda, mas quer trabalhar e receber.
Fevereiro de 2009 II
Foi realizada Carta Convite para uma empresa em que trabalha um irmão do prefeito, cujo contrato vem sendo reeditado até hoje e agora, as pessoas que participam dos eventos onde esteja o prefeito, de empreiteiros, o rapazola quer tirar uma onda de mandar fotografar adversários.
- Isso é ajudar e ainda dizer: "Fulano de tal tem que ganhar essa licitação", conforme ouvimos em certa época.

Maio de 2009
No intervalo dos eventos de inauguração, o prefeito José Carlos da Silva, em companhia do seu então secretário Evandro, do deputado federal Eliene Lima e de outras pessoas, comiam uma cabeça assada em uma residência na área central da cidade. Antes, porém, no mesmo local, por volta das 19:30 horas, "excomungou" e disse termos pesados contra uma pessoa que hoje o ajuda.
- Ah! Esqueceu-se, ent√£o t√°.

Abril de 2011
No dia 28 de abril de 2011, quando da inauguração das reformas da primeira etapa na Escola "Dalci", o prefeito atual disse: "saio daqui pensando na segunda etapa das reformas...". Até ontem ainda não havia acontecido nada nesse sentido e criou-se uma espécie de "desvio" para acesso ao banheiro, de onde exala um odor fétido. Enquanto isso, mais recentemente, o rega-bofe de aniversário foi movido a uísque no camarote oficial, de muitos convidados.
- E o Vento Levou...

Maio de 2012
"Enquanto os c√£es ladram a caravana passa", frase feita que o prefeito utilizou-se dela para tentar atirar culpa nos seus advers√°rios pelos fracassos do seu governo. Os que ontem o elegeram, com quem andava, a ir pelas ruas e casas pedir votos, hoje ele diz que apenas ladram enquanto ele no poder passa garboso com a sua caravana de "news" nobrenses.
- O destempero dos governistas tem como causa e efeito a contagem regressiva para o desapeamento do poder, sabendo que ter√£o uma dura batalha pela frente contra a "cachorrada". Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu.

Sem Data
Por um lapso de memória e por preguiça em pesquisar arquivos, não temos a data em que o prefeito prometeu comprar máquinas de costuras para os formandos em curso correlato. Até hoje e já caiu no esquecimento a sua promessa. Para os moradores do Jardim Petrópolis, anunciou a doação de uma novilha para a festa dos dias mães, em maior de 2011, mas até hoje não cumpriu. Se foi ele quem patrocinou uma festa que não houve, recentemente, por conta de chuva e ventania, não sabemos. Mas se foi o prefeito, que nos revelem esse segredo, considerando-se que dos bolsos o presidente Joa não ia tirar dinheiro.
- Em tempo: quem tem esses dados, aparentemente irrelevantes, é aquele a quem o prefeito classificou como sendo o Al Capone da mídia, a quem ele procurou, dias atrás, para "negociar".

Doutor, Atenda-nos
O prefeito de Nobres tem sido simp√°tico para com a imprensa local e tem atendido aos apelos, nossos, e de quem mais quiser. Falamos do busto na pra√ßa e j√° voltou ao seu devido lugar; falamos sobre a obra de reforma no Post√£o de Sa√ļde e ela j√° foi retomada; cobraram o prefeito sobre a pra√ßa do S√£o Jos√© e ele atendeu. Falta ele atender esse um pedido, feito pela 555¬™ vez, sobre "tomar" aquele carro (seria p√ļblico ou particular?) do camarada que pensa que seja dono dele. O carro foi visto estacionado em uma badalada esquina, ontem, 18 de maio, e j√° seriam mais de 21:00 horas. O "piloto" trajava uma bermuda (florida por sinal) e com chinelos de dedo e dizem que seria imita√ß√£o de uma Havaiana, as que n√£o soltam as tiras.
- Mas aqui n√£o √© o Havai, my doctor, aqui √© Buracol√Ęndia City. Esse ser√° o nosso terceiro desejo, que esperamos seja atendido, e pronto, venceu a cota, caro g√™nio Aladim.

I Not Dog Not
Enquanto alguns "idealistas" esbanjam, seguimos a nossa vida de cachorro, economizando at√© latido, por decreto. Segundo o artigo primeiro, s√≥ se pode latir quando a caravana estiver passando e n√£o mais, revogadas as disposi√ß√Ķes em contr√°rio; publicado, cumpra-se. Desde que passamos a observar Sir Charles Darwin, notamos que j√° houve uma evolu√ß√£o, segundo a teoria daquele meu amigo, que se foi, j√° faz algum tempo. Sen√£o vejamos, ontem, enquanto caminh√°vamos sobre duas pernas (ou seriam patas?), n√£o lev√°vamos essa vida de cachorro e at√© trabalhamos (de gra√ßa) para eleger o futuro "dono" do nosso canil. Evolu√≠mos tanto, que hoje caminhamos sobre buracos e ainda somos tratados como sendo cachorros, s√≥ autorizados a latir quando a caravana passar.
- Corroboraria com Waldick Soriano se vivo estivesse... "eu não sou cachorro não...". A propósito, cachorros votam?

C√īncavo e Convexo
Roberto Carlos √© foda, at√© em m√ļsica ele joga essas figuras geom√©tricas para testar a nossa meia d√ļzia de neur√īnios. H√° diferen√ßa entre c√īncavo e convexo, j√° dizia meu professor, o sr. Wikip√©dia. Mas a√≠ eu perguntei ao "teacher", qual a diferen√ßa entre agiota e idiota? E disse-me ele: o primeiro √© sol√≠cito, est√° sempre dispon√≠vel e tem o combust√≠vel que abastece os que n√£o s√£o abastados ou est√£o desprevenidos. Quanto ao segundo, ele s√≥ vai atr√°s do primeiro quando est√° "apertado", ap√≥s ter feito muitas cagadas. O primeiro e o segundo nunca s√£o vistos juntos e se assemelham a √°gua e fogo; igual genro e sogra, onde um est√° o outro n√£o pode estar.
- Idiota é o que sempre vai atrás de agiota; mas agiota pode ir atrás de idiota, sempre que este passar por algum problema de amnésia. Passou sexta-feira (18/05) esse filme, aqui em nossos cinemas, é? Não vi a fita, seria um longa ou um curta? Auuuuuuu...

Au, au, au...
Uma das vantagens na vida de cachorro, al√©m de latir enquanto a caravana passa, √© n√£o ter que recorrer aos (em)pr√©stimos da agiotagem. √Č que da caravana que passou no dia 01 de maio, foi visto algu√©m descer de uma das "carruagens de fogo", em frente ao endere√ßo de uma factoring, na qual consta que Eder de Moraes tamb√©m estava (ou est√°) dependurado. Mas, gente de Nobres metida com factoring, seria algum agente p√ļblico? E o "papagaio", seria de qual empresa? E qual teria sido o empreiteiro que levou algu√©m ao endere√ßo da factoring?
- Cachorro de madame é inteligente, ladra pouco e fica só no sofá, assistindo "O Último Tango em Paris". Ah! Que saudade de Marlon Brando, cuja pessoa visitei em sua ilha particular, na cidade paraibana com nome francês. Mr. Brando torcia pelo Botafogo, o da Paraíba.

Au, au, au... II
Na factoring, fazendo o qu√™? Rapaz, essa parada de agiotagem j√° deixou muita gente de cal√ßa curta e at√© nu, com as m√£os nos bolsos. Bem, mas o cheque cau√ß√£o foi de quem? Se for verdade essa informa√ß√£o, os dias futuros ser√£o do mais absoluto temor e terror, tamb√©m. Vai que algu√©m descobre essa jogada e conta ao Tribunal, seja l√° de que al√ßada for. Esperamos que a nossa fonte n√£o tenha errado na informa√ß√£o. Faz sentido, o nome daquela pra√ßa l√° no S√£o Jos√©, o J√Ęnio, nunca veio por aqui.
- Calma, Pedro Paulo, estamos falando do J√Ęnio Quadros, o cara da vassourinha. Ah! Ent√£o a caravana que passou eram as dilig√™ncias da Well's Fargo, transportadora de valores antiga na terra do Tio Sam. T√ī Ligado.

De Quem?
"O homem superior atribui a culpa a si pr√≥prio; o homem comum aos outros". Conf√ļcio. Vista sob esse aspecto, a panfletagem atirada pelas ruas de Nobres √© bastante esclarecedora acerca dos erros t√©cnicos cometidos no show do dia 27 de abril que n√£o houve e dele a culpa foi atirada em quem n√£o √© do governo e n√£o est√° no governo. Consta que tinha gente sugerindo processar o engenheiro respons√°vel pelo projeto; j√° outros, atribu√≠am a culpa a um gato preto, visto circulando pela regi√£o e n√£o faltou quem atribu√≠sse a cagada ao misticismo, por conta da invas√£o de um estacionamento particular em frente ao est√°dio "Baliz√£o".
- Nada disso ocorreu naquela inesquecível apresentação do 'free style' com o show man Joaninha e sua moto voadora, por baratérrimos 14 mil reais.

Auuuuuuuu...

"Os c√£es s√£o o nosso elo com o Para√≠so. Eles n√£o conhecem a maldade, a inveja ou o descontentamento. Sentar-se com um c√£o ao p√© de uma colina numa linda tarde, √© voltar ao √Čden onde ficar sem fazer nada n√£o era t√©dio, era paz." A cita√ß√£o √© do pensador tcheco Milan Kundera e contrasta com o pensamento expresso por um criador de animais que agora classifica os seus ex-amigos de c√£es, estes que ladram ao passar das suas carruagens de fogo.
- Qual o destino dessa caravana com suas carruagens de fogo? V√£o as carruagens e os c√£es permanecem... pagando impostos e sustentando a bebedeira e os tombos das figuras p√ļblicas sem posturas.


Memória e Esquecimento
Ainda, segundo Milan Kundera, a luta do homem √© como a da mem√≥ria em rela√ß√£o ao esquecimento. Veja o que j√° passou: "Reuni√£o de improviso colocou seis vereadores frente a frente com o prefeito Jos√© Carlos da Silva e com a secret√°ria municipal de Sa√ļde na manh√£ de 21 de novembro na sala de reuni√Ķes da presid√™ncia da C√Ęmara de Vereadores. Beto Valandro, Ad√£o Valdinei Pereira, Jos√© Dias Filho, Joel J√ļnior, Manoel Fermino Pinho e Herberto Buri participaram de reuni√£o de trabalho com o prefeito Jos√© Carlos da Silva e secret√°ria Z√©lia da Guia Nobre para avaliar onde ser√£o investidos R$ 500.000,00 que podem ser disponibilizados ao munic√≠pio de Nobres, atrav√©s de emenda popular de iniciativa do deputado federal Arlindo Chinaglia, de S√£o Paulo.
- Cinco meses depois, nem o dinheiro, nem a emenda e antes o soneto.


Memória e Esquecimento II
E no frigir dos ovos, novos relatos: "Outros vereadores ser√£o ouvidos at√© o dia da realiza√ß√£o da audi√™ncia p√ļblica que vai debater o assunto, prevista para 02 de dezembro, vindouro. Ser√° meio milh√£o de reais para investimento em obras no √Ęmbito da sa√ļde e a consulta p√ļblica apontar√° se os gastos ser√£o na implanta√ß√£o de um PSF ou na reforma e amplia√ß√£o dos j√° existentes". E l√° se foram cinco meses e nenhuma resposta, nenhuma satisfa√ß√£o e C√Ęmara de Vereadores segue complacente com o governo.
- E os cães seguem a ladrar enquanto passam as carruagens de fogo ou de "fogueira" após mais uma sessão de "lambe uma" dose aqui outra acolá.


Memória e Esquecimento III
Cad√™ as bicicletas e a moto que seriam sorteadas a quem pagasse o seu IPTU, segundo an√ļncio feito em 2010? O contribuinte de Nobres vem sendo enganado, dupla, tripla e at√© quadruplamente, ao ver esse tipo de propaganda enganosa anunciada publicamente, no mais absoluto desd√©m em rela√ß√£o ao povo desta terra. Os melhores sal√°rios e os melhores contratos est√£o direcionados a quem? Um time inteiro trazido de fora e as pessoas daqui sendo chamadas de c√£es (a prop√≥sito, seriam sarnentos?), ao menos os que ladram enquanto passa a caravana de sua excel√™ncia e os "estrangeiros" que mal conhecem as ruas de Nobres.
- Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuu... "Felizes os c√£es, que pelo faro descobrem os amigos", j√° dizia Machado de Assis.


C√£es que Ladram...
...e caravanas que passam; acerca disso, veja um pensamento: "Só bêbados e cães noturnos têm a faculdade de pisar em luas como se fossem poças d'água", segundo M. M. Soriano. Mas há os bêbados, que longe dos cães a ladrar, vão de cara na lama acreditando chafurdar-se na Lua. A isso se dá a classificação de inversão de valores em relação ao pensamento anterior. Chamar pagadores de impostos de cães, isso tem um preço, é a gana de alcançar a caravana e quem sabe ultrapassá-la numa corrida que se avizinha.
- Como bom plagiador, também diria: Meus pensamentos são como cães vadios, vão e vem". (Aryane Pinheiro)

Na Fria
A buy clomid online celeuma criada em torno dos lotes onde est√° localizada √† Creche Municipal ainda vai render outros cap√≠tulos. Uma das propriet√°rias, quando buscou debater o assunto, teria sido menosprezada e alegava-se que ela n√£o seria propriet√°ria de nada. Consta que R$ 18.000,00 teriam sido pagos antes do in√≠cio da constru√ß√£o, em valor simb√≥lico, a quem e por quantos lotes? Hoje, diz-se que custaria R$ 28.000,00, um √ļnico lote. O prefeito Jos√© Carlos da Silva precisa ser √°gil e demitir quem n√£o tem capacidade para administrar tais situa√ß√Ķes, bem basiquinhas. 400 empresas de assessoria e na hora da cagada, √© s√≥ um que limpa.
- buy priligy online Realmente, não há alquimista que consiga transformar uma cagada homérica em uma poção mágica perfumada. Nem Nicolas Flamel.

Causa clomid online e Efeitos
O secret√°rio de Finan√ßas alegava que a responsabilidade sobre todos os buracos existentes nas ruas em dezembro de 2011 seria de Ademir Messias. Faz de conta que sim, mas e agora, que os buracos est√£o de volta, a culpa vai ser de Ademir, de novo? O Ademir Messias, reconhecidamente, tem toda boa vontade em fazer, em agir com rapidez, mas sem dinheiro para custeio na sua pasta, n√£o far√° milagres. √Č feio querer fazer acreditar que s√≥ Valdinei e o seu Z√© que acertam. Por exemplo, est√° pintando uma bomba por a√≠, capaz de tirar pica-pau do oco, ser√° de quem a culpa?
- Os buracos são a causa e o descaso em relação a eles são os efeitos da festança; digamos, é a cefaleia pós-festa. "Ando devagar porque já tive pressa... e levo esse sorriso, porque já chorei demais; Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe; eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, eu nada sei; Conhecer as manhas e as manhãs; o sabor das massas e das maçãs (...)", lá no Geléia.

Alquimia buy generic propecia online no Tombador
Dia desses, em conversa com Nicolas Flamel, entendemos porque vai ser dif√≠cil o uso desses elementos na transforma√ß√£o do "papagaio v√©io" em uma reencarna√ß√£o de Rui Barbosa com o uso da Antropologia, Astrologia, Magia, Filosofia, Metalurgia, Matem√°tica, Misticismo e Religi√£o. Mas nem com ch√° de asas de morcego das cavernas misturado com pelos de lobisomem. Flamel ainda desdenhou do pessoal que tem em m√£os para ajud√°-lo nessa empreitada, taxados de "fraquinhos". O pr√≥prio "papagaio v√©io" desconfia de Nicolas e j√° teria at√© perguntado a si, em suaves murm√ļrios: "Devo apostar nesse Nicolas Flamel, meeeeeesmo?".
- Nicolas, deixe para fazer seus experimentos em outra freguesia, j√° n√£o aguentamos mais a abertura de uma outra Caixa de Pandora. N√£o h√° governos eternos e a pedra filosofal √© met√°fora pura... o jogo n√£o √© de p√īquer, portanto, n√£o se pode blefar.

Mau Gosto
Com uma mat√©ria postada no s√≠tio Olhar Direto sobre o falecimento da advogada da fam√≠lia Capil√©, a jovem de 33 anos, Bianka Capil√©, um coment√°rio postado chama a aten√ß√£o e √© de Nobres, onde o comentarista se apresenta como sendo o prefeito Jos√© Carlos da Silva e diz √† falecida "Parab√©ns pela sua luta...". Depois daqueles coment√°rios, sempre com letra mai√ļscula de um tal Pedro Paulo, nada mais √© de assustar. Assusta ainda, segundo coment√°rio feito diretamente a algu√©m que est√° no governo, √© a falta de pulso do gestor ao permitir que contr√°rios ao seu governo permane√ßam nele. O entendimento √© o de que uma demiss√£o agora jogaria para mais baixo ainda a imagem do governo.
- Bebedeira não atrapalha, campanha contrária não atrapalha, então vamos em frente com aquele refrão: "O Zé Carlos não ganha eleição...". De quem a frase?

Desmentido
O kamagra online ex-prefeito Devair Valim desmente que tenha procurado Riva para falar em aproxima√ß√£o entre DEM e PSD, e lembra que foi l√° tratar de neg√≥cios, nessa sua fase de corretagem, sua atual atividade ap√≥s passar a integrar a lista da Ficha Limpa. Ent√£o t√°, foi falar de agroneg√≥cios e n√≥s vamos acreditar, mas perguntamos: "para onde caminha o DEM em Nobres?". N√£o √© o fato de Devair estar fora do p√°reo que outras pessoas n√£o possam conduzir o processo pol√≠tico partid√°rio. O que atrapalha √© o seu exclusivismo, entretanto, h√° quem queira ver Manoel Fermino Pinho como um virtual candidato a vice-prefeito. H√° outros nichos pol√≠ticos a serem explorados e estes v√£o al√©m do exclusivismo de um √ļnico nome a tomar todas as decis√Ķes, inclusive aquelas que s√£o tratadas apenas pelo telefone.
- O ex-prefeito precisar entrar na onda da economia de energia e deixar a sua luz política apagada enquanto estiver fora do contexto.
Last Updated ( Monday, 04 June 2012 18:11 )  

TRINCHEIRA LII

Tenso Os poderes est√£o em clima de beliger√Ęncia e o que mais se ouve e se v√™ na m√≠dia s√£o frases atiradas ao vento com o efeito daquelas faltas que o velho e saudoso Didi ‚ÄúFolha Seca‚ÄĚ batia... com muito efeito... as faltas cobradas, √© claro. J√° as frases, s√£o meramente especulativas e pr√

Gest√Ķes e rupturas abruptas

Administrar um munic√≠pio nem sempre o √© pela √≥tica do hoje, deixando que amanh√£ tudo se resolva, ‚Äúautomaticamente‚ÄĚ. N√£o. N√£o se trata de uma frase solta e meramente subjetiva, mas uma gest√£o tem que ser pol√≠tica e administrativa, de modo que se olhe um pouco mais adiante e se vislumbre o
Banner
Banner
Banner
Banner